17 de julho de 2011

Portugal: Pastel de Belém só na Fábrica de Belém

Viajar e desbravar um novo destino é o momento ideal para fugir do regime por uns dias e degustar todos os quitutes do lugar. Se o seu próximo for Lisboa (Portugal), você precisa colocar no roteiro uma parada obrigatória: Fábrica de Belém. Lá, é o único lugar do mundo que vende o original pastel de belém. Apesar de ter sido criado por mãos religiosas, o doce faz qualquer um cometer o pecado da gula, pois é feito de uma massa especial que derrete na sua boca a cada mordida. Passamos por lá e desvendamos alguns dos seus segredos

(Chef Sandro Martins/Reprodução)


Origem religiosa
Para quem não sabe, tudo começou no início do século 19, onde existia uma casa que associava refino de cana-de-açúcar e um tipo de mercearia, junto ao Mosteiro dos Jerônimos, em Belém. Em 1834, foram fechados todos os conventos de Portugal, expulsando o clero e os trabalhadores, consequência da revolução Liberal (1820).

(LoggaWiggler/Pixabay/CC)
Mosteiro dos Jerônimos 

Um espertinho do mosteiro, ninguém sabe quem, resolveu por sobrevivência abrir um negócio e vender uns pastéis doces, que foram chamados de “pastéis de belém”. A história conta que o início da fabricação das delícias foi em 1837, de acordo com a “antiga receita secreta” originária do convento. Até hoje, só quem sabe como fazer aquelas maravilhas são os mestres pasteleiros que os fabricam na “Oficina do Segredo”, ou seja, a cozinha do lugar.

Para comer rezando
Ir até lá é a realização de um desejo gastronômico, mas quem disse que degustar a maravilha é fácil? Quando chegamos, o susto com filas enormes que se formavam do lado de fora da Fábrica de Belém, na calçada mesmo. Uma era para entrar, sentar em uma mesa e apreciar a iguaria com um bom cafezinho português. A outra já era para aqueles que queriam apenas comprar os pastéis, tipo drive in.

Claro, optamos pela mais demorada, até porque queríamos comer bem devagar e com bastante calma. Quando comeríamos aquelas maravilhas novamente? Então, o segredo é ter paciência. A boa notícia é que não demorou tanto quanto imaginávamos, pois o ambiente era grande e repleto de mesas. Tudo bem organizado, apesar do humor um pouco impaciente dos atendentes.

(Imagens: Rafaela Aguiar)
Apesar da fila, vale a pena esperar
Acrescente um pouco de canela e açúcar

Se você já comeu algum desses pastéis que chamam de “Belém” pelo Brasil, esqueça o sabor. O original é inexplicavelmente delicioso. O folheado dele é tão fino e crocante... o recheio, então, nem se fala. O toque final fica por conta da canela e do açúcar que acrescentamos na hora de comer. O danado quentinho é o que há!

Agora, quando estiver em qualquer outra padaria ou pastelaria de Lisboa, por favor, lembre que, pastel de belém só na Fábrica de Belém. Isso porque fomos tomar o café da manhã em uma padaria bem portuguesa, com doces e salgados divinos. Pedimos um “pastel de belém” e sabe o que o senhor da padaria respondeu? “Aqui, não tem pastel de belém, senhorita. Se quiser, vá lá na Fábrica de Belém! Só vendo pastel de nata!” Vale ressaltar que não foi nada muito simpático. Sim, ele se sentiu ofendido. Então, em qualquer outro lugar de Lisboa, é para pedir pastel de nata. 

O segredo
O pessoal da Fábrica de Belém pode não dá a receita secreta do doce, mas mostram como o fazem lá no site, na seção “Visita”. Dá uma passada lá, pois é de dar água na boca! Bom, como não temos o original pelo Brasil, o jeito é ficar com os pastéis de nata mesmo.

4 comentários :

  1. Nossa, sem explicação esse Pastel!! Estive em Lisboa nas minhas féria em fevereiro. Fiz todo o ritual de entrar na fábrica e comer o pastel com um cafezinho sentada naquele lugar perfeito, que você pensa que é pequeno mas lá dentro é um "mundo" de grande. hehehe. Espero voltar mais vezes.

    ResponderExcluir
  2. Quem sabe nos encontramos lá meninas!!! hehehehe

    ResponderExcluir